Nota de pesar pelo falecimento de Lourdes Ramalho

Nesta quinta-feira, 12 de setembro de 2019, o CEE/PB aprovou em plenário a nota de pesar em face do falecimento, no último sábado (07), da escritora, poeta, dramaturga e pesquisadora Maria de Lourdes Nunes Ramalho.

Lourdes Ramalho era conhecida no Brasil e no mundo por sua obra.
Nascida no Rio Grande do Norte, ela possuía uma identidade marcante com o Nordeste e o povo nordestino, tendo boa parte de sua obra dedicada às temáticas sobre a identidade e cultura nordestina.

Lourdes Ramalho teve uma importância fulcral na formação de atores e diretores teatrais, em especial de Campina Grande, mas também de outras cidades da Paraíba.

Ela faleceu em casa, aos 99 anos, vítima de uma parada respiratória. Autora de mais de 100 textos em dramaturgia (muitos dos quais ainda inéditos), textos poéticos, teatro em cordel, estudos genealógicos sobre a diáspora judaica no Nordeste brasileiro, Lourdes Ramalho conquistou com seus trabalhos muitos prêmios e homenagens, tanto no país quanto no exterior. Entre as peças de maior sucesso e destaque estão “Fogo Fátuo” (1974), “As Velhas” (1975) e “A Feira” (1976). As peças “A Feira” e “O Trovador Encantado” foram reconhecidas e consagradas na Europa, sendo publicadas na prestigiosa Coleção Biblioteca Arquivo Teatral “Francisco Pillado Mayor”, pela Universidade da Coruña, em 2011, e reeditada simultaneamente no Brasil pela EDUEPB, Editora da Universidade Estadual da Paraíba. Para os ibéricos, Lourdes é considerada a “Gil Vicente Sertaneja”.

Lourdes Ramalho também dedicou-se à escrita e produção de livros infantis e era, como pesquisadora, uma das referências internacionais da obra do escritor espanhol Federico García Lorca.

Lourdes Ramalho será sempre lembrada e reconhecida por sua inestimável contribuição na educação, cultura e arte na Paraíba.

Foto: George Suetônio Ramalho